quarta-feira, maio 18, 2005

Os betinhos da Extrema-Esquerda

(0131)juve_conf.gifQuatro razões se conjugam e me motivam para escrever sobre aquilo a que pomposamente chamarei:Breve Enquadramento Sociológico dos Militantes do Bloco de Esquerda. A primeira, tem a ver com a entrevista que, ontem, Sá Fernandes concedeu ao Público no âmbito da sua candidatura à Presidência da CML, onde o “providencial cauteleiro” desbobina um chorrilho de tolices, com especial incidência nos problemas do trânsito e no destino do Parque Mayer, só ao alcance de um verdadeiro irresponsável que desconhece para onde corre, sendo, que é justamente à boleia deste incendiário em busca de protagonismo que o Bloco de Esquerda pretende chegar à CML.A segunda, prende-se com o facto de ter estabelecido aqui no estamine um breve contraditório com o Barnabé'>http://barnabe.weblog.com.pt/">Barnabé Daniel Oliveira à volta da última convenção do Bloco.A terceira, decorre da leitura do artigo de Miguel Sousa Tavares , também no Público, onde o eminente colunista conclui que: "esta gente não é séria”, referindo-se ao Ayatolah Daniel em particular, e aos Bloquistas, em geral.A quarta, passa pela necessidade, que sinto imperiosa, de elucidar os leitores porventura mais incautos, de quem é e o que representa, de facto, esta rapaziada do Bloco de Esquerda.Vamos lá então ao que interessa:“Anda meio mundo a enganar o outro meio”, é uma expressão recorrente quando se pretende definir o modelo de sociedade em que vivemos. Esta frase ganha um novo fôlego quando se fala do Bloco.Começo por distinguir entre dirigentes, acólitos e assessores da organização, que são um conjunto de jovens lobos, famintos de tacho, de reconhecimento e de exposição mediática e uma imensa multidão de seguidores e militantes que não passam de betinhos que, transitoriamente, enquanto não crescem e “se fazem à vida”, vão engrossando as fileiras bloquistas.E é sobre esta imensa multidão de jovens anónimos de que vos quero falar: lembram-se da figura dos betinhos da Praça de Londres, da Mexicana, do Vává, do Filipa (em Lisboa) e do Foco, do Carolina, do Lúmen e de Damião de Góis (no Porto)?Lembram-se?Pois bem, muitos deles são agora os militantes do Bloco de Esquerda. São os mesmos, mas mascarados.Transformaram-se.Fizeram um make-up e são agora os betinhos da extrema-esquerda.Não vendem ideias preferem vender ilusões.Para melhor interpretarem o seu papel adoptaram uma roupagem de meninos da moda e de frequentadores do Bairro Alto, sendo muitos deles provenientes de famílias bem, da média e alta burguesia urbana, que têm necessidade de ser do contra para chatear os “velhotes” e de se encontrarem para fumar umas ganzas, mostrar as tatuagens não definitivas do Che, apanhar umas beatas e trocar cd´s alternativos.Muitos deles, e delas, inclusive, deixaram de sentir necessidade de tomar banho, com todas as consequências que daí advêm para o indesejável incremento da esperança de vida dos ovos do piolho da cabeça, vulgo lêndea, e para a estatística dos índices negativos de saúde pública.São estes, grosso modo, os militantes do Bloco.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Trackbacks:

Criar uma hiperligação

<< Início